quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

O Teatro da Existência!

"A existência terrestre não passa de aparência e ilusão. Por isso,
perante as dificuldades e provações que encontrais, deveis dizer
para vós próprios: «Na realidade, não é a mim que isto está a
acontecer, é a alguém que não eu... Não sei a quem, mas, em todo
o caso, não é a mim. Eu sou invulnerável, sou apenas um
espectador.»
Tomemos como exemplo um actor de teatro. Todas as noites ele
representa uma peça em que o seu inimigo mortal deita veneno no
seu copo e ele morre. Mas, se vos acontece encontrá-lo no bar
após a representação, vê-lo-eis a petiscar tranquilamente com o
seu assassino: ele nem sequer receia que ele tenha vertido
novamente veneno no seu copo. Então, por que não se há-de
compreender que, salvaguardadas as proporções, na vida corrente
se desenrolam os mesmos teatros? Em vez de levardes tão a sério
certas situações desagradáveis, dizei para convosco: «Ah!, isto é
teatro. Quando a peça tiver terminado, verei as coisas de um modo
diferente.» Se vos habituardes a raciocinar assim, já não sereis
tão afectados pelos inconvenientes por que tereis de passar."

aivanhøv

2 comentários:

Simbolos disse...

Muito bom!!!

Alex disse...

excelente blog visite o meu www.alexfilosofodeubajara.blogspot.com vvaleu deixa um comentário!

Buscar neste blog